Alimentação, CrossFit e BLACKSMITH*

O que devemos comer? Esta é a pergunta que alguns de nós fazemos a nós próprios, a nutricionistas, a médicos ou a profissionais de saúde. E fazê-la parece-me importante.
Antigamente (mas mesmo muito antigamente…) esta questão não se colocava, e porquê? Porque comíamos o que encontrávamos na natureza à volta do nosso meio.
Com a agricultura onde seleccionámos alimentos para cultivar e desordenar a ordem natural da coisa, começámo-nos a inclinar para comermos o que cultivávamos, já que era o mais abundante. Mas nos últimos 100 anos as alterações que produzimos nos “alimentos” foram tão rápidas e significativas, com todas as máquinas e processos de que dispomos, que hoje em dia a diversidade de “alimentos” é tão grande que podemos comer todos os dias frutas de inverno no verão, salmão em Portugal, croissants mistos, leite com chocolate, gomas e rebuçados infinitos, e por aí em diante.
No meio desta confusão e emoção de “alimentos” optamos obviamente pelos que mais gostamos e talvez também sugestionados por algumas regras, como a bem conhecida roda dos alimentos. Ora bem até aqui tudo bem (ou não?!), mas no meio desta confusão alimentar começámos a questionar o que devemos comer, já que a oferta é tão grande e há cada vez mais evidências de que a alimentação é mesmo fundamental para a nossa saúde e bem-estar.
Esta pergunta parece-me fundamental neste ponto da evolução, já que anteriormente estivemos mais preocupados em fazer do que a perceber os seus efeitos, e se calhar agora estamos a pagar os efeitos desta revolução alimentar que sofremos nos últimos anos. Construímos “alimentos” (entre aspas porque são mais pseudo-alimentos), que alimentam mais a indústria que os faz, do que as nossas próprias células.

1
A evolução e os seus efeitos

Começamos felizmente a preocupar-nos em como alimentar as nossas células correctamente para obtermos a melhor performance do nosso corpo e mente, e não me estou a referir a atletas de alta-competição ou jogadores de xadrez, mas a pessoas normais que pretendem fazer a sua vida normal com a maior qualidade e conforto possíveis.
Fazendo esta análise factual sobre a história parece-me fazer sentido pensarmos em voltar a comer apenas alimentos e deixar os “alimentos”, comer comidinha da boa daquela saída directa ou quase directamente da natureza sem grandes alterações. Esta definição de “diretamente ou quase diretamente da natureza” pode levar a fundamentalismos, mas sabemos que o tempo não volta atrás, há coisas que já não podemos ter, por isso fundamentalismos à parte podemos pelo menos deixar de comer regularmente comida de plástico, processada, geneticamente modificada, cuidar melhor dos animais que comemos, dar tempo à natureza e respeitar o seu ciclo.

2
Happy grass-feed cow

Qual a relação com o CrossFit?
E o que tem a alimentação a ver com o CrossFit? No CrossFit o objetivo primordial é a saúde por isso é um método de treino que nos capacita “para o que der e vier” e obviamente como não poderia deixar de ser, uma das bases para conseguir isto é alimentar-nos corretamente. Podem ver abaixo a pirâmide das bases onde assenta o CrossFit. A alimentação está no degrau mais baixo da sua fundação, isto porque sem as nossas células nutridas não estamos preparados para o próximo nível da preparação e condição física.

3
Pirâmide do CrossFit

Alimentar-nos correctamente depende de pessoa para pessoa, mas parece-me uma boa opção começar pelos alimentos – ALIMENTOS, e a partir daí consoante os detalhes de cada um de nós, escolher dentro desses ALIMENTOS quais os que fazem mais sentido dependendo da altura da vida, da actividade física, do estado de saúde ou da própria altura do dia, respeitando a nossa natureza e a que nos rodeia. Conhecermo-nos e sabermos ler o que o nosso corpo nos diz é importante. Se não nos sentimos bem temos de perceber o porquê e a partir daí fazer os ajustes necessários. Nesta descoberta pode ser útil procurarmos um profissional de nutrição ou saúde que nos encaminhe.

O que é a BLACKSMITH?
Estando já consciencializados da importância da alimentação e encaminhados no objectivo de nos nutrirmos melhor e para nos ajudar nesta tarefa foi criada a BLACKSMITH, uma pioneira no serviço alimentar onde a qualidade, o respeito pela nossa saúde e a facilidade se juntaram num só. As suas bases são o uso de ALIMENTOS verdadeiros (carne, peixe, ovos, fruta, vegetais, sementes e raízes), onde não entram produtos processados e refinados e se evitam alergénios e produtos inflamatórios como o glúten, lactose, açúcares refinados e gorduras hidrogenadas. Para quem já ouviu falar da dieta do paleolítico, a tendência da BLACKSMITH é por aí, para quem nunca ouviu falar é uma dieta cujas bases assentam no que foi referido nos primeiros parágrafos onde se dá primazia à alimentação mais natural e ancestral.

12

Alguns exemplos de pratos da BLACKSMITH são salada de salmão, vegetais e batata-doce com molho de côco e lima, chili de carne e vegetais com arroz basmati, frango estufado com vegetais e puré de batata e couve-flor ou panados de frango com côco no forno e arroz basmati.
Deliciem-se e inspirem-se com as imagens…
5

6

7

8

E a BLACKSMITH também faz pecados saudáveis, como bolos, cupcakes e todo o tipo de sobremesas feitos com alimentos verdadeiros, que podem encomendar para festas ou para quando vos apetecer um doce sem culpa.

9

10

Agora já sabem, a BLACKSMITH faz comidinha da boa e entrega-a à 3ª-feira e 5ª-feira por Lisboa à hora de almoço ou ao final do dia no CrossFit Oniria, a box de CrossFit em Lisboa.

A BLACKSMITH vai também alimentar todos os participantes do CrossFit Oniria Outdoor Challenge, que se vai realizar no próximo dia 28 de Junho, pelas 10h, no Parque das Conchas, no Lumiar.

Boas escolhas alimentares, bons treinos e sejam felizes!

13

* Artigo da autoria de Vera Ferreira, crossFitter e responsável da Blacksmith.

Posted in Uncategorized and tagged , , .

Deixe uma resposta